// Oricana - Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Orindiuva
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz agência chinesa

Países têm feito gestos conciliatórios antes de uma nova rodada de negociações previstas para outubro.

 

A China excluirá alguns produtos agrícolas dos Estados Unidos de tarifas adicionais, informou nesta sexta-feira (13) a agência oficial de notícias da China, a Xinhua, no mais recente sinal de atenuação das tensões sino-americanas antes de uma nova rodada de negociações com o objetivo de conter uma guerra comercial.

 

Washington e Pequim fizeram gestos conciliatórios. A China renovou compras de produtos agrícolas dos EUA e o presidente dos EUA, Donald Trump, adiou aumento de tarifas sobre certos produtos chineses.

 

 

A China havia criado tarifas adicionais de 25% aos produtos agrícolas dos EUA, incluindo soja e carne de porco, em julho de 2018. Em 1º de setembro, o país aumentou as tarifas para soja em mais 5% e, para carne de porco, em mais 10%.

 

"A China apoia empresas relevantes que compram hoje determinadas quantidades de soja, suínos e outros produtos agrícolas de acordo com os princípios do mercado e as regras da OMC", disse a Xinhua, acrescentando que a Comissão de Tarifas Aduaneiras do Conselho de Estado da China excluiria tarifas adicionais sobre esses itens.

 

A China tem "amplas perspectivas" de importar produtos agrícolas dos EUA de alta qualidade, informou a Xinhua, citando autoridades não identificadas.

 

Um surto de peste suína africana reduziu em um terço o rebanho de suínos da China desde meados de 2018, levou os preços da carne de porco no país a níveis recordes e deixou a China em necessidade de suprimentos de reposição do exterior.

 

Também é esperado que a China intensifique as compras de soja, historicamente a exportação agrícola mais valiosa dos EUA. O país asiático evitou compras de soja norte-americana desde que a guerra comercial começou no ano passado.

 

Antes do anúncio de isenções para tarifas adicionais, as empresas chinesas compraram pelo menos 10 carregamentos de soja nos EUA na quinta-feira, as compras mais significativas do país desde junho.

 

"Espera-se que os EUA cumpram suas palavras e cumpram a promessa de criar condições favoráveis à cooperação nas áreas agrícolas entre os dois países", afirmou a Xinhua.

 

Autoridades dos EUA e da China devem se reunir na próxima semana em Washington antes das negociações entre os principais negociadores comerciais no início de outubro.

 

O presidente Donald Trump disse na quinta-feira que prefere um acordo comercial abrangente com a China, mas não descarta a possibilidade de um pacto provisório.

 

Fonte: G1/ Reuters